domingo, 30 de abril de 2017

* "Dias de Oração do Coração Aquecido"

de http://hideide.blogspot.com.br


          “Que tipo de homens (pessoas) devemos ser? Somos deste tipo ou não?”.

           Dia 1: O tipo de pastor e pastora que ajuda as outras pessoas a avançar
           Leitura bíblica:

 "Dos filhos de Issacar,
 conhecedores da época, 
para saberem o que Israel devia fazer, 
duzentos chefes, 
e todos os seus irmãos sob suas ordens" 
 1 Crônicas 12.32

          Reflexão: Wesley diz que é preciso que o clero tenha “um bom entendimento, uma clara compreensão, um julgamento sadio, e uma capacidade de raciocínio, com algum retraimento”. As pessoas a quem eu sirvo esperam de mim, muitas vezes, uma orientação e uma direção. Não querem que eu as manipule, nem lhes dê respostas prontas, nem que saiba de tudo. Esperam sinceramente que eu seja capaz de ajudá-las a enxergar o panorama de suas dificuldades e as ajude a encontrar o “caminho do céu”, como dizia Wesley.
          E, além disso, existem as oposições. Preciso ser um tipo de pessoa que saiba ler e compreender as outras. Não poderei contender com todo mundo. Preciso aprender esse “retraimento”. Algumas vezes sinto que meu orgulho pode atrapalhar meu avanço, porque, sendo uma pessoa do discurso, posso querer, conscientemente ou não, que todo mundo concorde comigo ou me aprecie. Devo entender que meu chamado inclui uma constante busca por aprimorar meus dons para ajudar e não para dominar, manipular ou humilhar ninguém.
          Os conhecedores da época, estudiosos dos fatores, analistas da história. Esses eram os filhos de Issacar, informados, atualizados e formadores de opinião. E esse dom eles usavam para atuarem como conselheiros, por “saberem o que Israel devia fazer”, que caminho tomar. Eles são um bom exemplo para eu pensar sobre isso no meu ministério, hoje.
          Oração: 
        "Deus, 
          hoje eu quero pensar 
          acerca da maneira como exerço minha vocação. 
          Quero ser fonte de emponderamento, 
          não de opressão; 
          de cuidado, 
          não de manipulação; 
          de confiança,
          não de terror.
          Ajuda-me a compreender este tempo tão confuso
          e ser uma bússola, 
          que orienta sem aprisionar; 
          que dá o rumo certo 
          mas respeita a passada de cada pessoa no encontro Contigo. 
          Amém."

          Dia 2: O tipo de pastor ou pastora que busca aprimorar seus dons e talentos
      Texto bíblico:

 “Traze os livros, 
especialmente os pergaminhos”
2 Timóteo 4.13

 “Cuida de ti mesmo 
e da doutrina”
Timóteo 4.8

          Reflexão: Wesley afirma que os pregadores e pregadoras deviam ser pessoas que se esforçavam por aprimorar seu conhecimento. Ele fala desde a Bíblia, passando por várias áreas de humanas e ciências. Ele fala que em seu tempo havia pessoas que pensavam que se aquele garoto não servisse para nada, poderia ser um pastor. Não quero que minha vocação seja por eu achar que tenho alguma garantia, seja de subsídio, seja de moradia ou privilégios. Que mente tacanha e limitada eu teria se pensasse tal coisa! Ele afirma que por não se preocuparem em aprimorar suas capacidades, aqueles ministros eram “grosseiros, abatidos, estúpidos; homens sem vida, sem espírito, sem prontidão de pensamento; que são, consequentemente, a zombaria de todo tolo atrevido, todo janota vivaz, e afetado, que eles encontram”.
          Quantas vezes a gente vê, nos meios de comunicação em geral, as pessoas zombando de uma leitura bíblica atravessada, de uma explicação mal arrumada ou de uma interpretação grosseira das doutrinas! Que eu não seja preguiçosa ou presunçosa por achar que já sei algo a mais.
          Que eu me esforce para estar não acima, mas à frente do rebanho, sabendo conduzir as pessoas a algo mais excelente. Que eu cuide de mim e da doutrina, como Paulo recomendou a Timóteo e me preocupe mais com os livros e pergaminhos e menos com os enlatados que encontramos por aí, que não desenvolvem nossa capacidade de pensar, sonhar e atuar.
          Oração:
          "Senhor,
           aviva a Tua obra 
           no decorrer dos anos da minha vida.
           Que eu não me canse de conhecer a Tua palavra,
           de conhecer as pessoas, d
           e experimentar o mundo das descobertas que me tornam capaz de liderar, 
           de estar adiante,
           de ser uma referência saudável
           e confiável para o rebanho que me puseste a zelar.
           Que eu seja responsável 
           em “desenvolver minha salvação”
         (Filipenses 2.12)
           e a do meu povo, 
           a quem conduza sempre com amor.
           Amém."

          Dia 3: O tipo de pastor e pastora que tem autoconsciência e caráter forjado
        Texto bíblico:

 “Procura apresentar-te a Deus aprovado, 
como obreiro que não tem de que se envergonhar, 
que maneja bem a palavra da verdade”.
2 Timóteo 2.15

       Reflexão: Wesley pergunta: “Eu entendo o meu próprio ofício? Eu tenho considerado profundamente diante de Deus o caráter que eu tenho levado? O que é ser um embaixador de Cristo, um enviado do rei do céu? E eu conheço e sinto o que está inserido em “vigiar as almas” dos homens, “como se delas tivesse prestar contas?”
          Às vezes a gente se esquece de estamos lidando com coisas eternas. Irritamo-nos com as pessoas de quem deveríamos cuidar. Agimos na carne, somos intolerantes ou agimos com frieza.       Tentamos escapar de lidar profundamente com nossos próprios conflitos. Vivemos de aparência em nossos casamentos, ministérios e relacionamentos. Temos medo do que as pessoas poderiam pensar se realmente nos conhecessem. Mas o nosso ofício inclui “não contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor” (2 Timóteo 2:24).
          Contudo, não queremos sofrer. Pode ser que termos como submissão e honra encontrem em nós ecos equivocados, para suprir nossas deficiências emocionais? Se for assim, podemos ter a exigir das pessoas coisas que nós deveríamos dar-lhes primeiro, como respeito, amor genuíno e entrega. Como diferenciar? Somente amadurecendo. Sondando-nos profundamente.               Desejos verdadeiros e expectativas corretas podem estar por trás de motivações erradas.   Mas como é difícil conhecer o próprio coração! Temo, porém, ser reprovada se não fizer!
          Oração: 
         "Senhor, 
           revela-me o meu caráter! 
           Mostra meus pecados ocultos, 
           aqueles que eu escondo até de mim mesma
           atrás de holofotes ou elogios. 
           Cura-me dessa soberba disfarçada de humildade. 
           Eu tenho de aprender a ser em Ti,
           a ser de verdade 
           e a ensinar às ovelhas sob o meu pastoreio 
           a receber aprovação de Ti 
           e não das outras pessoas meramente.
           Ajuda-me a saber a diferença 
           e a não colocar a perder a Tua graça por causa dos meus limites. 
           Amém."

         Dia 04: O tipo de pastor ou pastora que valoriza mais a vocação do que tudo
         Texto bíblico:

“Que o seu modo de vida seja livre do amor ao dinheiro; 
fiquem satisfeitos com as coisas que têm.
 Pois ele disse:
 ‘Eu nunca deixarei você
 e nunca o abandonarei.’"
Hebreus 13.5

        Reflexão: Wesley segue indagando: “Qual foi a minha intenção em tomar sobre mim este ofício e ministério? Qual foi ela, em cuidar desta paróquia, quer como Ministro ou Cura? Ela foi sempre, e é agora, total e somente para glorificar a Deus, e salvar almas? Meus olhos têm sido puros nisto, desde o princípio? Eu nunca tive, ou tenho agora, alguma mistura em minha intenção; alguma liga de metal desprezível? Eu tive, ou tenho, nenhum pensamento de ganho mundano; ‘lucro imundo’, como o apóstolo o denomina? Eu, a princípio, tive, ou tenho agora, nenhum objetivo secular? Nenhum olho para honra ou cargo honorífico? Para a renda abundante; ou, pelo menos, meios suficientes para subsistência? Um meio de vida prazeroso e confortável?”          O nosso fundador discorre longamente sobre as motivações financeiras, de reconhecimento ou busca por títulos em seu “Discurso ao Clero”. Acho que é porque alguém disse que há três coisas que derrubam um ministério: dinheiro, sexo e poder.
          Para mim, as três coisas estão inter relacionadas. Elas têm a ver com vaidade pessoal. É um desafio para qualquer líder não se exaltar ou não querer benefícios da posição que ocupa. A Jesus mesmo quiseram fazer rei várias vezes. Eu o vejo fugindo do meio do povo e buscando a solidão para auto centrar-se na missão. O desejo descalibra a gente. É claro que um obreiro ou obreira precisa de condições dignas para o trabalho, enfatiza Wesley.
       Não é que a gente tenha de sofrer, mas que tenhamos a disposição para passar pela dificuldade é parte integrante do ministério. Não podemos oprimir o corpo pastoral, mas cada pastor ou pastora precisa ter disposição e entrega. São dois lados difíceis de equilibrar. Mas por mais duro que seja, reside aí uma das diferenças básicas entre o pastor e o mercenário, dos quais Jesus tanto fala.
          Se eu perder hoje meu lugar ou posição, como reagirei? Esbravejarei que tenho direitos? E se Deus tiver outro desafio à minha frente? Estou pronta para enfrentar? No meu passado, já reagi com muita amargura de alma a coisas que me pareceram injustas. Quase pus tudo a perder. Magoei pessoas inocentes no processo. Será que já venci isso de verdade? Hoje, preciso sondar o meu coração se eu sirvo a Deus por causa das circunstâncias ou apesar delas.
          Oração:
         "Senhor,
         eu sei que a tarefa do pastorado é muito dura.
         A falta de reconhecimento magoa.
         A instituição nem sempre responde aos meus anseios
         e muitos deles são autênticos e genuínos.
         Mas não permita que eu perca a minha vocação
         quando as condições não forem boas.
         Que títulos e regalias não me seduzam 
         nem me moldem.
         Que eu trabalhe confiando na tua provisão,
         tanto de recursos quanto de afetos.
          Ajuda-me a confiar nas pessoas que tens colocado no meu caminho.
          Mantenha meus olhos fitos em Ti 
          quando as coisas se complicarem.
          Dá-me largueza no Teu tempo 
          e me ajude a encontrar descanso.
          Em nome de Jesus.
           Amém."

          Dia 5: Um tipo de pastor ou pastora que se move a partir do amor de Deus
        Texto bíblico:

 “Fiz-me como fraco para os fracos, 
para ganhar os fracos.
 Fiz-me tudo para todos, 
para por todos os meios chegar a salvar alguns. 
E eu faço isto por causa do evangelho,
 para ser também participante dele."
1 Coríntios 9: 22,23

         Reflexão: “Pelo menos, será que eu sinto tal preocupação pela glória de Deus, e tal sede em busca da salvação dos homens, que eu estou pronto a fazer qualquer coisa, o que quer que seja contrário à minha inclinação natural, separar-me do que quer que seja agradável a mim, suportar o que for, como quer que seja grave à carne e sangue, de maneira que eu possa salvar uma alma do inferno?” Fico pensando nisso ao me lembrar de que, certa vez, uma colega do curso de jornalismo me falou, animada, quando nos encontramos, alguns anos depois, num corredor de aeroporto: “Você não sabe o que me aconteceu! Eu encontrei Jesus! E pensar que estudei por quatro anos numa escola metodista e ninguém me falou de Jesus ali”. Eu me sinto pessoalmente envergonhada até hoje.
         Tento ao máximo apresentar Jesus de todas as formas às pessoas, particularmente com uma amizade mais profunda e desinteressada do que até então eu tinha. Eu sei que se eu amar de verdade uma pessoa, então com mais intensidade eu vou sentir-me espiritualmente motivada a falar de Jesus para ela. Quero fazer isso com todas as forças.
          Quero saber que não posso esperar que nenhum membro da igreja seja um evangelista se eu não lhe mostro, em mim mesma, a urgência do anúncio. Tem sido difícil, eu reconheço.   Frequentemente sofro rejeições às minhas ideias e pensamentos. Quero me fazer aceitável por mim mesma. Ou me ressinto quando sou rejeitada. Temo as comparações. Tento algumas vezes agir pela força do discurso.
          Então me lembro de que não é nem por força, nem por violência, mas pelo Espírito. Eu me calo para que Jesus fale. Tento discernir a voz Dele da voz da minha vontade. E me esforço por amar e aceitar essas pessoas que são tão diferentes de mim. Eu me lembro de que sou tão necessitada quanto elas. Que não posso pretender nada senão a graça. O amor ainda é um desafio. Vejo que minhas emoções me traem. Então preciso parar de novo. E escutar. E atentar. E agir.
           Oração
           "Senhor Jesus,
            reconheço que ainda não consigo fazer muitas coisas 
            que contrariam as minhas ideias, 
            mas que talvez seja preciso para alcançar as pessoas.
            Frequentemente acho que sei tudo. 
            Ajuda-me a me esvaziar dessa pretensão
            e a amar sem cobranças inúteis. 
            Que eu possa proclamar a Tua glória com todas as minhas forças. 
            Que eu possa crer que a obra é Tua
            e que minha tarefa é apenas preparar o cenário
            para o ator principal, 
            que é o Espírito Santo. 
            Esvazia-me da necessidade de estar certa.
            Encha-me do poder, 
            que é a capacidade de realizar. 
            Em nome de Jesus.
            Amém."

        Dia 06: Um tipo de pastor ou pastora que se esforça por uma vivência familiar saudável
          Texto bíblico

“É fundamental, 
pois,
 que o bispo seja irrepreensível,
 marido de uma só esposa, 
equilibrado, 
tenha domínio próprio, 
seja respeitável,
 hospitaleiro, 
capacitado para ensinar; 
não deve ser apegado ao vinho, 
nem violento,
 mas sim amável, 
pacífico
 e não amante do dinheiro”.
1 Timóteo 3.2-3

          Reflexão: Eu nunca tinha pensado num João Wesley apaixonado. Nem sabia que ele havia se casado até ir pro seminário e o prof. Duncan Reily me contar isso numa aula. E agora, eu leio uma carta que ele escreveu para a esposa em busca de uma reconciliação: “Não há nada que me daria mais prazer do que ter você comigo para sempre; se somente você pudesse manter o bom humor e não falasse mal de mim pelas costas. Todavia, eu te amo por seu trabalho incansável, por sua sobriedade exata, por seu asseio e limpeza fora do comum, tanto pessoal quanto com suas roupas e tudo o que lhe rodeia. Eu aprecio sua paciência, destreza e ternura em ajudar os enfermos. E se pudesse seguir meus conselhos, você poderia fazer cem vezes mais tanto com os enfermos quanto com os sãos, em todos os lugares onde Deus pudesse lhe levar através do meu ministério. Oh, Molly, por que essas oportunidades haveriam de perder-se? (...) Se tu pensas como eu, se queres fazer o melhor de uns poucos dias, melhorar o entardecer da vida, comecemos hoje! (...) Se agrada a Deus que nos encontremos mais uma vez, encontremo-nos para sempre! (Carta a Mary Wesley, 12/07/1760) Há muitas dificuldades em levar adiante relacionamentos significativos, particularmente num tempo de descartáveis como o nosso.
       João Wesley, segundo consta, não foi bem-sucedido. É preciso, aparentemente, saber escolher e, mais ainda, saber preservar. Há uma série de qualidades que Deus deseja de mim.   Uma delas é uma boa vivência familiar, que me dê o suporte para voltar para casa ao fim do dia e encontrar abrigo, refrigério e forças para enfrentar os desafios do dia seguinte. Preciso aprimorar-me nessa vivência. Ainda quero as coisas muito do meu jeito.
        Ainda perco facilmente a paciência. Ainda me aflijo pelas coisas que Deus disse que iria suprir. Nem sempre sou mansa. Nem sempre, pacífica. Onde estão minhas maiores dificuldades?        Preciso reconhecer e tratar cada uma delas. Há pessoas em busca de referências. Vão encontrar em mim? Não apenas isso, mas não quero chegar ao final de minha jornada de vida e ministério me sentindo uma fraude. Minha casa compartilha da minha fé? Aqui nós servimos a Deus com alegria?
          Oração
          "Ajuda-me, 
           Senhor,
           a construir relacionamentos saudáveis,
           seja com meu marido,
           filhas,
           irmãos e irmãs... 
           Ajuda-me a viver bem com minha solicitude 
           e a dividir meu tempo com as outras pessoas com alegria.
           Não permitas que eu sobrecarregue os meus queridos
           e queridas com fardos inúteis.
           Nem faça cobranças indevidas 
           ou que meu ministério seja um fardo para minha casa. 
           Dá-me leveza no seguir-Te.
           Que eu inspire e não oprima.
           Em nome de Jesus.
           Amém." 


Nenhum comentário:

Postar um comentário